15 de out de 2011

Meu dia de Vanderlei


Hoje a tarde enquanto participava de mais uma etapa do Campeonato de Rústicas da Redenção tive meu dia de injustiça, como ocorreu em uma proporção bem maior com o Vanderlei Cordeiro de Lima, enquanto eu corria fui derrubada violentamente por um homem negro que seguia por pequenos trechos um corredor na minha frente. Após fazer-se de cansado por ter tentado acompanhar o atleta ele atirou-se no chão, mas em seguida vendo que fui alertar o corredor de que este indivíduo poderia causar algum problema foi instantâneo: BUMMMMMMMMM! Senti uma pancada forte nas costas e fui imediatamente ao chão que por minha "sorte era areião", sendo que logo a frente já era um trecho de calçamento em pedra!

O atleta de nome Júlio, se não me engano, ficou muito abalado com a situação e foi atrás do homem que vestia roupas normais -jeans e camisa branca, mas calçava tênis, oque me fez acreditar ao vê-lo correndo que estivesse se preparando junto a nós. No momento que ele alcançou o marginal eles entraram em luta corporal, porém logo um policial da Guarda Municipal apareceu numa motocicleta. Eu continuava a gritar polícia e a correr mais lentamente. Já estava indo na metade da 3a volta. Outro guarda vinha na minha frente e mostrei-lhe o homem negro com calças jeans, camisa branca e cabelo grande, pintado de vermelho. Não vi se foi feita a prisão deste indivíduo que representa a meu ver, um perigo para os populares ali presentes.

No mais, eu senti orgulho por ter terminado a prova ainda em condições mesmo toda hematomada pela violenta batida que tive ao atingir o solo. Ralei meu cotovelo direito, minhas palmas das mãos, a nádega direita e em casa, depois foi que fui sentir a dor no pé esquerdo que também bateu forte no chão! Contei a história
várias vezes, inclusive tinham viaturas da BM, às quais comuniquei o fato, porém fui informada que como não parei de correr a polícia não leva o suspeito preso.

Ao terminar a prova fui muito aplaudida, oque me fez sentir bastante recompensada. Um outro atleta ainda brincou me fazendo um elogio que em princípio achei que era incomodação, já que enquanto eu entregava o número do peito e contava oque me ocorreu ele logo gritou: Ela é a culpada, porque quem mandou ser uma bela mulher!Ri muito desse gracejo que ouvi! E ainda, ofereceu-se para me acompanhar na próxima corrida.

Antes do que me aconteceu eu já gostava muito da frase do atleta Vanderlei Cordeiro da Lima: Superar as injustiças com a dignidade. Este tem sido meu lema nos últimos anos.

Campeonato de Rústicas da Redenção


As corridas ocorrem de março a dezembro de 2011 dentro do circuito (de 8km) do Parque Ramiro Souto(redenção) sempre aos sábados de tarde de cada mês.

As inscrições de cada etapa deverão ser efetuadas no local da prova mediante comparecimento do atleta até dez minutos antes de seu início. O atleta deverá apresentar documento de identidade e 1kg de alimento não perecível para ser doado ao Comitê da Fome.

9 de out de 2011

Eita tempo abafado!


E os dias tem sido estranhos do ponto de vista de clima e temperaturas que hora sobem e seguido, abaixam.
Nesta semana na 5a.feira fui até a Zona Sul a noite com amigos para encontrar outros ciclistas que se concentram na frente da loja Dudu Bike Team, às 20:30hs. Passei bastante tempo durante o dia fora de casa resolvendo a vida, ou seja, indo e vindo de bike aos lugares de compromisso.

Domingo um amigo me convidara durante o passeio ao aeroporto que foi realizado com outras gurias que decidiram por aumentar a distância do passeio das cíclicas que acontece todo 2o. domingo do mês. Marcamos encontro no Largo Zumbi dos Palmares, às 19:20hs, mas ele se atrasou um pouco. Fomos pela avenida Edvaldo Pereira, porém não pela via. Até chegar na avenida Wenceslau fomos pela calçada, e isso me deixou bastante apreensiva, já que não tenho costume de subir na calçada durante meus trajetos.

Chegamos lá e já havia movimento de vários ciclistas a espera da saída para o passeio que me informou o amigo voltaria até o largo do qual havíamos saído. Muitos ciclistas se atrasaram e demorou bastante a concentração ali na ruazinha da loja. Eu estava querendo voltar logo, pois me sentia gripando e o vento me irritava bastante, principalmente a garganta.

Acabei vindo embora depois de algumas subidas junto aos ciclistas que iam mais na frente do grupo. Deixei recado para o meu amigo quando já estavamos quase chegando na frente do estádio do internacional. A fome me apertou e fiquei sem noção de mais nada, só queria chegar em casa logo!

Fiquei muito brava com o clima incerto no sábado, pois já estava pronta encima da bike e ao sair para rua a chuva desabou forte! Voltei para dentro de casa e deixei a magrela estacionada. Sai para apanhar uma condução e logo a chuva parou! Perdi um dia que poderia ter sido bom para agilizar minhas coisas mais rapidamente. Odeio depender de ônibus, principalmente nos finais de semana, onde o tempo médio de espera é bem maior.

Paciência!
O olhar da gente sem a bike é outro bem diferente. Existe o maior contato com os problemas do cotidiano de uma grande cidade, onde pessoas que tu puxa conversa numa parada falam em geral sobre violência e, foi assim que tomei contato com a história de um cobrador de uma linha de ônibus que acabara de ter perdido seu carro durante um assalto a uma lanchonete em que ele fazia um lanche para vir embora depois do runo de seu trabalho. os assaltantes lhe tomaram as chaves do carro e ele conta que o pior era passar o findi sem seu meio de transporte e lazer, já que o carro havia sido largado a poucos kilômetros dali, mas a burocracia toda devolveria seu carro, apenas na 2a. feira.

Fiquei tão indignada de ver que lá pelas 2 da tarde a chuva já tinha cessado de vez que sai caminhando até minha casa uma distância de uns 10 a 15km, oque demorou perto de 1:45h prá mais até. Queria muito ir nadar já que a previsão era das piores oque por fim não aconteceu e, ao contrário, o domingo amanheceu meio nublado, e logo o sol forçou sua passagem entre as nuvens pesadas, e o dia se fez claro e ensolarado.

Levantei muito cedinho, já que não choveu como previsto e fui de carona com um amigo até uma corrida que aconteceria às 08:00hs. Foi bem sufocante aquele mormaço da manhã, mas o circuito era bem diferente das outras corridas que em geral acontecem na avenida Edvaldo Pereira. Esta corrida foi na avenida Praia de Belas até a Padre Cacique em diante e voltava ao estacionamento do Shopping Praia de Belas.

Depois ainda encarei uma nadada em um treino básico de 1200m, só para soltar os músculos e caminhar para secar a pele e os cabelos ao sol. Se possível aproveitando o sol para morenar a pele, já que o verão se faz esperadíssimo depois de tanto frio e tanta chuva por estas bandas. ansiei por ir pedalar, mas confesso que as atrações na televisivas me amarraram na frente da telinha por horas e horas. É que hoje a tarde tinha a atividade dos ciclistas jardineiros, ou a Bicicletagem Jardinária.