14 de out de 2012

Oque é para ser meu ninguém tira!



Pedalar, não tem sido algo ultimamente oque me force a organizar-me para não deixar de fazer, pelo menos de duas a três vezes por semana eu corro. Esta tem sido minha principal motivação. Por isso tendo muitas medalhas desse esporte, mas vira e mexe alguns fatos no mínimo estranhos acontecem!

O mais recente foi na Corrida do Carteiro que aconteceu hoje lá na cidade de Canoas.
Me levantei bem cedinho e fiz meu breakfast. Sai de carona com um amigo que tem moto e ia fazer sua estréia na caminhada de 3 km, ela aconteceria antes da corrida de 10km.

Todos a postos após os preparativos, como aquecimento, alongamento e muita hidratação é claro, porque ia fazer calor no horário de largada que eseria às 9:20hs da manhã.

Difícil apostar quem se saíria bem porque como a premiação era muito boa veio gente até de outros estados competir. E foi mesmo este o caso do vencedor que era do Paraná.

Eu, em geral sempre conheço minhas concorrentes de faixa etária, mas hoje não foi muito fácil identificá-las. Já sabia desde o início quem levaria e ganhei na aposta, só não contava com a ida ao podium de uma competidora chamada para ocupar o 3o lugar, pois não tinha visto ela durante o percurso, mas as outras duas primeiras eu conseguia avistar, enquanto corria.

O locutor anuncia as ganhadoras e fico ali por uns instantes a pensar sobre essas colocações e, começou a me dar uma angústia e um desespero, e isso foi o motivo que me fez procurar de início amigos e amigas que tinham corrido e que tinham feito melhores tempos na geral. Logo descubro que de fato eu havia farejado algo de muito estranho.


Achei mesmo que minha suspeita não daria em nada, mesmo que mais fatos viessem a confirmar minha desconfiança de que a terceira colocada não completou os 10km. Um amigo tinha feito 39 minutos e afirmou que ela tinha passado no pórtico de chegada na frente dele.
MAS COMO ISSO?

Dai em diante agitei e fui parar na frente do podium para falar com os organizadores, mas nem precisou muito porque meu amigo foi até a "tal" que tinha levado o troféu sem fazer o trajeto todo e ela acabou por se entregar, e CLARO, ME ENTREGAR O QUE ERA MEU DE DIREITO!

Acredito muito mesmo na antiga frase popularmente conhecida: que o que está guardado para mim ninguém tira!

24 de jul de 2012

As Margens do Ipiranga

há dias que venho notando a movimentação nas margens do Arroio Dilúvio da Ipiranga. Acredito tratar-se de uma limpeza de rotina, porém quanto a poda das árvores maiores deixa muito a desejar, já que eles estão cortando os galhos bem junto ao tronco!
Em alguns pontos a vegetação era muito espessa e inclusive bem próximo de onde resido podia observar o movimento dos usuários de drogas pela noite afora escondidos nas moitas!
Dessa feita estão desbastando as folhagens e isso torna mais visível toda a margem praticamente do arroio.
A situação destas margens e do próprio curso das águas poluídas é de bastante pesar! Já vi pessoas andarilhas vivendo a custas de sobras de lixo atiradas por muitos moradores e vizinhos que conheço daqui da minha região. Um desses andarilhos que eu observei por dias e me fiz reportar a um órgão público que julguei responsável por esse tipo de incidência muito me decepcionou, já que esse andarilho chegava a tomar a água, se assim podemos chamar de copinho.
Também é triste ver que ali se encontram animais silvestres em meio a lixo e imundice de todo tipo. Uma vez visualizei um homem morador das proximidades chegar com uma coisinha que jogou nas floreiras que já há muito se tornaram depósito de lixo de todo tipo. mas, nessa feita sai de casa e fui ver do que se tratava e me surpreendi ao ver que era um filhotinho lindo de gato. Recolhi o animal e sai em busca do indivíduo que descobri onde morava! Felizmente consegui doar muito bem o bichano que se chama JOÃO. Tenho há aproximadamente dois anos uma cadelinha que ficou morando conosco após permanecer por dias e dias no talude do mesmo arroio. Levei alimentos a ela por 3 dias e finalmente a recolhi e hoje é muito querida aqui em nossa casa e levou o nomezinho de Noviça!
Muitos animais são abandonados neste arroio e verifico noite adentro a grande quantidade de ratos e ratazanas que circulam em suas margens. neste mesmo local vai existir uma ciclovia! também sou ciclista e achei muito ruim que a prefeitura fizesse dessa forma a ciclovia nas margens do arroio, sem consultar ciclistas e nem se preocupar com a flora ao longo das Margens da I

piranga!

Cream - Sunshine of Your Love

23 de mai de 2012

28 de mar de 2012

9a. Corrida de Aniversário de Porto Alegre

Cerca de 2 mil corredores participaram na manhã deste domingo da 9ª Corrida de Aniversário da Cidade e Circuito Unimed, que integram a programação esportiva da 53ª Semana de Porto Alegre. O evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME), com apoio do Clube de Corredores de Porto Alegre (Corpa) e patrocínio da Unimed.

As provas reuniram adultos e crianças em diversas atividades iniciando às 9h, com concentração na Usina do Gasômetro. A corrida mirim teve cerca de 200 participantes e logo após
o prefeito José Fortunati deu a largada para a etapa adulto, entre corredores profissionais e amadores, incluindo quatro atletas cadeirantes.

Os corredores porto-alegrenses dominaram uma das tradicionais atividades da semana de aniversário da Capital, a Corrida de Porto Alegre que aconteceu numa ensolarada manhã de domingo, 25, às comemorações relativas ao 240º aniversário da cidade.


Enviado por email para http://equipemarciosoares.blogspot.com.br/ "Parabéns a nossa atleta Marly Maravalhas Gomes que nos representou e recebeu com orgulho o troféu de 2o. lugar na categoria feminino 55 a 59 anos."

10 de fev de 2012

Um pouco de paciência

Circulo de bike nesta capital dos gaúchos há mais de 11 anos, porém percebo que coisa rara é fiscalização de agentes de trânsito! Carros vivem estacionados nas vias de grande fluxo e ficam estacionados por tempo quase indeterminado. Um exemplo são os carros à venda de lojas que os exibem aos interessados nas próprias calçadas, os pretensos compradores descem de dentro do carro sem a menor cerimônia de abrir a porta encima de quem estiver vindo na pista! Já fui derrubada diversas vezes e vi isso acontecendo com outros ciclistas!

No verão tem até caminhão estacionado nesta mesma via, bem ao lado de um cruzamento, e ali permanece o comércio de frutas pelo dia inteiro! Se tu vem de bike assim que a sinaleira abre é preciso descer da bike e ficar olhando para trás para voltar para pista sem que te atropelem (e claro, nem param e nem te veem!)

Outra coisa absurda é tu não poder passar dentro dos corredores de ônibus das perimetrais.
Hoje eu circulava com todo cuidado pela 3a perimetral e bem defronte a sede da EPTC o motorista nervosinho de uma linha veio gritando comigo que eu não podia pedalar ali! Mais atrás veio o outro motorista e também me incomodou, sendo que sempre aguardo eles passarem, pois sei das atrocidades de jogarem o veículo encima ou meterem o dedo na buzina como hoje me aconteceu!

Outro feito me ocorreu instantes depois quando um taxista passou me xingando de "museu", não entendi o desaforo gratuito, mas dei-lhe o troco imediatamente: vai cuidar da sua vida o babaca!
Aliás hoje o trânsito estava novamente um verdadeiro inferno. começando a tardinha e adentrando no anoitecer! Depois li sobre a chegada da seleção brasileira de futebol e associei tudo de errado a mais este fator, além é claro de outros como a própria impaciência dos motoristas que já é um fato habitual pelas ruas desta cidade!

8 de fev de 2012

Todo mundo é parecido quando sente dor

De minha parte apesar de ter sido atropelada no último dia 22/01/12, por causa de dois ônibus na av. cavalhada que se atiraram com o veículo encima de mim me causando uma fratura e diversas lesões.O passeio até Itapuã nunca aconteceu, pois quando eu pedi a um deles que esperasse para ultrapassá-lo, sendo que eles estavam na parada o motorista do ônibus detrás me ignorou, mesmo estando com a janela aberta e olhando no enorme retrovisor. O carro que me atropelou na via tampouco parou e olha que ele transportava mais pessoas, sendo uma delas criança. Que exemplo, hein? Liguei na EPTC duas vezes chorando para saber se ali não há fiscalização, nem cameras de monitoramento, e nem .... vou engolir pra não dizer! Ô gente incompetente, primária e incivilizada que são os nossos políticos e administradores. Por mais que se fale, diga e repita sempre me cai a ficha de que existe uma indiferença, e ela rola mesmo entre os próprios ciclistas, e amigos, ou ativistas mas principalmente também entre nossos porta-vozes etc. e tals. Uma pena! Lamento muitíssimo mesmo, mas isto tem sido alertado e alertado e alertado e parece que só acreditam quando dá uma merda dessas! No último dia 7/02 notícia em http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=390197

Pois é, pessoas que pedalam em sua maioria desprezam quando algum "ciclista conhecido" se acidenta ou coisa pior na cidade, será que muitos não se identificam com a coisa toda de que nem ser solidário, socorrer a vítima ou de dar apenas uma palavra de afeto a quem tenha tido o infortúnio de ser desrespeitado por esse tipo de convívio social que é dirigir, mas que não seja conivente com a forma como as coisas tem caminhado nas mãos sempre de tão poucos com mais poder?


A EPTC não tem o menor interesse em saber como fazem, e nem porque a maioria dos motoristas que atropelam ciclistas e fogem sem deixar vestígios, nem testemunhas, e tampouco querem se incomodar na vidinha importante que levam!Somos desunidos e só chiamos quando der Ibope, senão todos se lixam prá dor alheia, parece que ser agredido no trânsito é frescura!

Por tudo isso e tudo mais eu digo no vadebici às pessoas: Uma coisa eu sinto ao saber de mais este pobrezinho que caiu apenas nas estatísticas, pois quando a gente sofre um acidente oque mais se escuta das pessoas são frases do tipo: viu como é perigoso! Mas além disto nada mais, nada mais!Pena!Sorry!

No face criou-se um evento para esta sexta-feira 10/02 ler https://www.facebook.com/events/341527645879849/?notif_t=event_invite

Ainda ontem fui indagada por uma pessoa (que pedala inclusive) se eu agora aprendi alguma coisa depois do acidente que tive nestes dias? É muito triste a desunião e mais que muitos se sentem deslocados e humilhados após ser atropelados por onibus, já que sempre vão dizer que a gente é louco por compartilhar com eles. Ouço todos dias conselhos do tipo pedale na calçada que é mais seguro, de fato!Mas, é justo pormos a vida de um pedestre em perigo também?

25 de jan de 2012

Atropelada em meio a farta agenda de eventos do FSM

http://pt.indymedia.org/conteudo/newswire/6444 Me bateu uma baita identificação, por incrível que pareça por culpa de minha convalecência justo com um homem do outro lado do mundo que nunca vi mais gordo! Incrível como estamos vivenciando uma era do desprezo ao próximo! Neste domingo 22/01/2012 fui atropelada por um veículo passeio de cor bordo aparentando ser um palio, ou algo no mesmo estilo. Novamente, enfrentei os problemas que vivenciei ao aportar nesta capital dos gaúchos e gaúchas(2001) onde já tinha sido atropelada tentando compartilhar a pista com os veículos. O Mais irônico é que é neste local, Porto Alegre que tem abrigado as discussões "por um outro mundo possível" - apregoado pelos FSMs - que é onde mais eu vejo quanta falta de "solidarnosc" há! Postei lá encima uma identificação que tive ao meu hábito diário que é o de acessar a internet e ir digitando no google frases que passem na minha cabeça, como uma fotografia daquele momento, onde o meu sentimento de solidão após ser atropelada e novamente não ter tido socorro e nem solidariedade da maioria dos ciclistas com os quais convivo há pelo menos 6 ou 7 anos; apenas uma meia dúzia de centenas me perguntou como eu ia após sofrer o atropelamento! Li no site de discussões http://vadebici.wordpress.com/2012/01/24/pedalar-em-porto-alegre-esta-mais-seguro/#comments (aguardando moderação): Por mais que queira deixar quieto meu sangue latino fala mais alto, porisso falando em estatísticas domingo 22/01 entrei novamente nas estatísticas de acidentes de trânsito (?) foi marcado um pedal até Itapuã do qual fui eu mais a Livia, a Ana e a Nídia. Eu já fui muitas vezes até lá, (não importa tanto eu sei, mas cheguei a ir de speed e sozinha também). Desta feita no último domingo, na av. da Cavalhada, altura do n.3999, na frente de uma parada de ônibus fui atropelada, e nem deu tempo de enxergar a placa do carro. Apesar de ter ficado caída por alguns minutos na via ( no meio da faixa da primeira pista com a segunda pista, já fomos as 4 ultrapassar os dois ônibus pela esquerda dos motoras e como fui por último sobrou prá mim!) Liguei na EPTC enquanto aguardava socorro...blá blá blá....Fui obrigada a pedir um taxi para me levar ao HPS e como estava com a bike e as gurias iriam ter que ficar com ela todo tempo um taxi resolveria a questão, pois desmontaríamos as rodas e colocaríamos no banco traseiro e depois algum amigo viria até o hospital (caso eu não tivesse condições de seguir sozinha até meu apartamento), só que o taxista ao chegar no local e ver que eu aparentava externamente estar bem, negou-se terminantemente a fazer a corrida, até porque uma das gurias ligou na empresa para solicitar os serviços e parece-me que a legislação diz que a corrida nestes casos não pode ser cobrada Por mais que queira deixar quieto meu sangue latino fala mais alto, porisso falando em estatísticas domingo 22/01 entrei novamente nas estatísticas de acidentes de trânsito (? não tenho certeza disso pois ainda não fui pessoalmente levar o B.O e o laudo pericial que fiz na terça vai ficar pronto em 20 ou 30 dias. Sábado foi marcado um pedal até Itapuã pelo facebook do qual fui eu mais a Livia, a Ana e a Nídia. Eu já fui muitas vezes até lá, (não importa tanto eu sei, mas cheguei a ir de speed, e sozinha também). Desta feita neste último domingo, na altura da av. da Cavalhada, próximo ao n.3999, na frente de uma parada de ônibus fui atropelada, e nem deu tempo de enxergar a placa do carro. Apesar de ter ficado caída por alguns minutos na via ( no meio da faixa da primeira pista com a segunda pista que é início de uma lomba), já que fomos as 4 ultrapassar os dois ônibus parados, foi feita a ultrapssagem pela esquerda dos motoras, e como fui por último sobrou prá mim!). Pedi ao motora do segundo bus para esperar um segundinho e ele estava me vendo pelo espelho e sua janela estava aberta, por culpa do calor, óbvio! Eles tocou prá cima de mim e avançou para segunda pista e um carro bordo, ou cor de vinho com passageiros, inclusive uma criança junto me atropelou e não parou prestar socorro. Liguei na EPTC, enquanto aguardava socorro...blá blá blá....Fui obrigada a pedir um taxi para me levar ao HPS, e como estava com a bike e as gurias iam ter que ficar como? Se pensou num taxi que talvez resolveria a questão, pois desmontaríamos as rodas e colocaríamos no banco traseiro, e depois "algum amigo" viria até o hospital (caso eu não tivesse condições de seguir sozinha até meu apartamento). Um taxi foi atacado na hora por elas e ele se negou afazer a corrida e mostrou o número para ligarem no vidro traseiro. Parece-me que a legislação diz que a corrida nestes casos não pode ser cobrada. Chegou depois de 10 minutos outro taxista e não me levou, deixando-me postada de pé na calçada toda machucada, pois eu não aparentava fraturas externamente para ele e nem estaria inconsciente tampouco, e por fim quando fui fazer radiografias no hospital de tarde, após dar entrada na emergência, às 12:00h (o acidente foi às 10:40h) tive uma fratura na costela que me rendeu um dia e, mais algumas horas da noite em observação. Como as gurias na hora do acidente já estavam lá no final da lomba, e isso foi quando eu consegui vencer o terror de ver aquela montoeira de veículos largando a mais de 60km/h eu gritei que fui atropelada e olhei prá trás, e um carro subiu atrás do que ele pode enxergar, no caso ele viu o prefixo do ônibus e parou as gurias, e assim elas entenderam que eu tinha parado por ter sido atropelada naquela hora. Agora eu me atreveria a perguntar, se possível fosse neste post, se poderei fazer algo além de tentar me recuperar cercada de tantas amig(a)os, não é? E especialmente achei muito importante oque o Martinez escreveu, apesar dele talvez nem me conhecer, que acredito sejam muito poucos no meio ciclístico de tantos cicloativistas, esportistas, etc... se eu também apenas serei mais um numerozinho infinitamente insignificante como parece ser algo como um ser humano acima de ser ciclista, ou blá blá blá que tenta compartilhar no trânsito desta capital sempre com muita cautela e sim com muito medo pois na hora de lamber os ferimentos nada como saber que um dia se possa andar nas vias recebendo o respeito e o suporte de autoridades no trânsito. Atenciosamente, Marly