3 de jul de 2011

Hövding krocktest




Atualmente, em minha cidade, há um grande debate em torno da criação de uma ciclovia que liga diversos pontos centrais de Porto Alegre. Mas será que a criação de ciclovias é mesmo a solução para os problemas dos ciclistas em meio ao trânsito? Antes de tudo, é importante definir com clareza os termos que nós, ciclistas, devemos conhecer quando o nosso espaço no trânsito é o tema.
O código de trânsito estabelece 3 tipos de vias preferenciais aos ciclistas, que compoem a Rede Cicloviária de uma cidade, sendo elas:
1) ciclovias; pistas exclusivas para ciclistas, separada tanto da pista de rolamento dos carros quando da calçada dos pedestres.
2) ciclofaixas pistas exclusivas para ciclistas, porém não separadas do restante do trânsito; ciclofaixas podem ser feitas tanto na pista de rolamento quanto na calçada, separada apenas por sinalização.
3) via de trânsito compartilhado; quando não há distinção, e tanto ciclistas quanto veículos se deslocam pelo mesmo espaço.
Pois bem. Voltando ao tema; o projeto de uma grande ciclovia na cidade de Porto Alegre já vem sendo estudado há anos ( no Plano Diretor Integrado Cicloviário - regulamentado pela Lei Complementar 626), e a maior pressão devido ao acidente da Massa Crítica forçou as autoridades a apressarem o projeto. Porém, como eu já havia mencionado, há diversos motivos para duvidar da eficiência desta na redução do trânsito violento.

Como bem sabemos, o projeto custará caro, de forma que cada km custará aproximadamente 200 mil reais. E, apesar de tudo, será restrito a apenas um certo trajeto na cidade, deixando que grande parte da cidade fique relegada a segundo plano, forçando o ciclista a competir com carros sem qualquer tipo de preferencial ou de sinalização adequada.

Com isso, devemos nos perguntar: Será que é mesmo a melhor alternativa? Será que não seria mais barato, acessível e abrangente investir na educação do motorista, forçar a distância mínima de 1,5m e fazer uma ciclofaixa em TODAS as vias públicas, assim atingindo um público de ciclistas muito maior?

Nenhum comentário: